Conselhos

Citações de Mary Parker Follett

Citações de Mary Parker Follett



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Mary Parker Follett foi chamada de "profeta da administração" por Peter Drucker. Ela foi pioneira no pensamento gerencial. Seus livros de 1918 e 1924 lançaram as bases para muitos teóricos posteriores que enfatizaram as relações humanas ao longo da abordagem de tempo e medição de Taylor e Gilbreth. Aqui estão algumas de suas palavras nestes livros e outros escritos:

Citações selecionadas de Mary Parker Follett

• Liberar as energias do espírito humano é a alta potencialidade de toda associação humana.

• O processo de grupo contém o segredo da vida coletiva, é a chave da democracia, é a lição-mestre para todo indivíduo aprender, é a nossa principal esperança ou a vida política, social, internacional do futuro.

• O estudo das relações humanas nos negócios e o estudo da tecnologia de operação estão ligados.

• Nunca podemos separar completamente o humano do lado mecânico.

• Parece-me que, enquanto poder geralmente significa poder, poder de uma pessoa ou grupo sobre outra pessoa ou grupo, é possível desenvolver a concepção de poder - com um poder desenvolvido em conjunto, um co-ativo, não é um poder coercitivo.

• Poder coercitivo é a maldição do universo; poder coativo, o enriquecimento e avanço de toda alma humana.

• Acho que nunca nos livraremos do poder; Eu acho que devemos tentar reduzi-lo.

• Não acho que o poder possa ser delegado porque acredito que poder genuíno é capacidade.

• Não vemos agora que, embora existam muitas maneiras de obter um poder externo e arbitrário - através da força bruta, através da manipulação e da diplomacia - o poder genuíno é sempre o que está inerente à situação?

• O poder não é algo pré-existente que pode ser entregue a alguém ou arrancado de alguém.

• Nas relações sociais, o poder é um autodesenvolvimento centripédico. O poder é o resultado legítimo, inevitável, do processo da vida. Sempre podemos testar a validade do poder perguntando se ele é parte integrante do processo ou fora dele.

• O objetivo de toda forma de organização não deve ser compartilhar o poder, mas aumentar o poder, buscar os métodos pelos quais o poder possa ser aumentado em todos.

• Um genuíno entrelaçamento ou interpenetração, alterando os dois lados, cria novas situações.

• Nunca devemos nos deixar intimidar por "um ou outro". Geralmente, existe a possibilidade de algo melhor do que qualquer uma das duas alternativas dadas.

• Individualidade é a capacidade de união. A medida da individualidade é a profundidade e o fôlego da verdadeira relação. Sou um indivíduo não tanto quanto separado, mas tanto quanto faço parte de outros homens. O mal não tem relação.

• No entanto, não podemos moldar nossas vidas cada um por si; mas dentro de cada indivíduo existe o poder de se unir fundamental e vitalmente a outras vidas, e dessa união vital surge o poder criativo. A revelação, se queremos que seja contínua, deve ser através do vínculo da comunidade. Nenhum indivíduo pode mudar a desordem e a iniqüidade deste mundo. Nenhuma massa caótica de homens e mulheres pode fazê-lo. A criação consciente de grupos deve ser a força social e política do futuro.

• Não precisamos nos balançar para sempre entre o indivíduo e o grupo. Precisamos criar algum método para usar os dois ao mesmo tempo. Nosso método atual está certo na medida em que se baseia em indivíduos, mas ainda não encontramos o verdadeiro indivíduo. Os grupos são os meios indispensáveis ​​para a descoberta do eu por cada homem. O indivíduo se encontra em um grupo; ele não tem poder sozinho ou no meio da multidão. Um grupo me cria, outro grupo aparece vários lados de mim.

• Encontramos o homem verdadeiro somente através da organização do grupo. As potencialidades do indivíduo permanecem potencialidades até serem liberadas pela vida em grupo. O homem descobre sua verdadeira natureza, obtém sua verdadeira liberdade somente através do grupo.

• A responsabilidade é o grande desenvolvedor dos homens.

• O importante sobre responsabilidade não é a quem você é responsável, mas pelo que é responsável.

• Esse é o problema na administração de empresas: como uma empresa pode ser tão organizada para que trabalhadores, gerentes e proprietários sintam uma responsabilidade coletiva?

• Não acho que tenhamos problemas psicológicos, éticos e econômicos. Temos problemas humanos, com aspectos psicológicos, éticos e econômicos, e tantos outros quanto você desejar.

A democracia é um espírito infinitamente inclusivo. Temos um instinto para a democracia porque temos um instinto para a totalidade; obtemos plenitude somente através de relações recíprocas, através de relações recíprocas em expansão infinita.

• A democracia transcende o tempo e o espaço, nunca pode ser entendida, exceto como uma força espiritual. A regra da maioria baseia-se em números; a democracia repousa na premissa bem fundamentada de que a sociedade não é uma coleção de unidades nem um organismo, mas uma rede de relações humanas. A democracia não é trabalhada nas cabines de votação; é a criação de uma genuína vontade coletiva, para a qual todo ser humano deve contribuir com toda a sua vida complexa, como aquela em que todo ser humano deve expressar o todo em um ponto. Assim, a essência da democracia está criando. A técnica da democracia é a organização do grupo.

• Ser democrata não é decidir sobre uma certa forma de associação humana, é aprender a viver com outros homens. O mundo há muito tempo se atrapalha com a democracia, mas ainda não apreendeu sua idéia essencial e básica.

• Ninguém pode nos dar democracia, precisamos aprender democracia.

• O treinamento para a democracia nunca pode cessar enquanto exercitamos a democracia. Nós, os mais velhos, precisamos exatamente do mesmo que os mais jovens. Que a educação é um processo contínuo é um truísmo. Não termina com o dia da formatura; não termina quando a "vida" começa. Vida e educação nunca devem ser separadas. Precisamos ter mais vida em nossas universidades, mais educação em nossa vida.

• O treinamento para a nova democracia deve ser desde o berço - passando pela creche, pela escola e pela brincadeira, e assim por diante, por todas as atividades de nossa vida. A cidadania não deve ser aprendida em boas aulas do governo ou em cursos de eventos atuais ou em aulas cívicas. Ele deve ser adquirido apenas através dos modos de viver e agir que nos ensinarão a crescer a consciência social. Esse deve ser o objetivo da educação escolar durante todo o dia, de toda a escola noturna, de toda a nossa recreação supervisionada, de toda a nossa vida familiar, de nossa vida de clube, de nossa vida cívica.

• O que tentei mostrar neste livro é que o processo social pode ser concebido como a oposição e a batalha de desejos com a vitória de um sobre o outro, ou como o confronto e a integração de desejos. O primeiro significa não-liberdade para ambos os lados, o derrotado amarrado ao vencedor, o vencedor amarrado à falsa situação assim criada - ambos amarrados. O último significa uma libertação para os dois lados e um aumento da potência total ou aumento da capacidade no mundo.

• Nunca podemos entender a situação total sem levar em conta a situação em evolução. E quando uma situação muda, não temos uma nova variação sob o fato antigo, mas um fato novo.

• Devemos lembrar que a maioria das pessoas não é a favor ou contra nada; o primeiro objetivo de reunir as pessoas é fazê-las responder de alguma forma, superar a inércia. Discordar, bem como concordar, com as pessoas aproxima você delas.

• Precisamos de educação o tempo todo e todos precisamos de educação.

• Podemos testar nosso grupo da seguinte maneira: nos reunimos para registrar os resultados do pensamento individual, comparar os resultados do pensamento individual para fazer seleções a partir deles, ou nos reunimos para criar uma idéia comum? Sempre que temos um grupo real, algo novoé realmente criado. Podemos agora ver, portanto, que o objetivo da vida em grupo não é encontrar o melhor pensamento individual, mas o pensamento coletivo. Uma reunião do comitê não é como um programa de prêmios que visa destacar o melhor que cada um pode produzir e, em seguida, o prêmio (o voto) concedido ao melhor de todas essas opiniões individuais. O objetivo de uma conferência não é obter muitas idéias diferentes, como geralmente se pensa, mas exatamente o oposto - obter uma idéia. Não há nada rígido ou fixo nos pensamentos, eles são inteiramente plásticos e prontos para se entregar completamente ao mestre - o espírito de grupo.

• Quando as condições para o pensamento coletivo forem mais ou menos preenchidas, a expansão da vida começará. Através do meu grupo, aprendo o segredo da totalidade.

• Frequentemente, podemos medir nosso progresso observando a natureza de nossos conflitos. O progresso social é, nesse aspecto, como o progresso individual; nos tornamos espiritualmente cada vez mais desenvolvidos à medida que nossos conflitos aumentam para níveis mais altos.

• Homens descem para se encontrar? Esta não é a minha experiência. olaissez-aller que as pessoas se permitem quando sozinhas desaparecem quando se encontram. Então eles se recompõem e se dão o melhor de si. Vemos isso de novo e de novo. Às vezes, a idéia do grupo está bem visível diante de nós como algo que nenhum de nós está vivendo exatamente por si mesmo. Sentimos isso lá, uma coisa impalpável e substancial em nosso meio. Ele nos eleva até o enésimo poder de ação, dispara nossas mentes e brilha em nossos corações, realiza-se e atua menos, mas exatamente por isso, porque foi gerado apenas por estarmos juntos.

• O líder mais bem-sucedido de todos é aquele que vê outra imagem ainda não atualizada.

• Se liderança não significa coerção de qualquer forma, se não significa controlar, proteger ou explorar, o que significa? Significa, penso, libertador. O maior serviço que o professor pode prestar ao aluno é aumentar sua liberdade - sua livre atividade e pensamento e seu poder de controle.

• Queremos elaborar uma relação entre líderes e liderados que dê a cada um a oportunidade de fazer contribuições criativas para a situação.

• O melhor líder sabe como fazer com que seus seguidores realmente sintam poder, não apenas reconhecendo seu poder.

• A responsabilidade conjunta de gerência e mão-de-obra é uma responsabilidade interpenetrante e é totalmente diferente da responsabilidade dividida em seções, tendo a gerência algumas e trabalhando algumas.

• Unidade, não uniformidade, deve ser nosso objetivo. Atingimos a unidade somente através da variedade. As diferenças devem ser integradas, não aniquiladas ou absorvidas.

• Em vez de excluir o que é diferente, devemos recebê-lo, porque é diferente e, por sua diferença, tornará um conteúdo mais rico da vida.

• Toda diferença introduzida em uma concepção maior alimenta e enriquece a sociedade; toda diferença que é ignorada alimentaemsociedade e eventualmente a corrompe.

• Uma amizade baseada apenas em semelhanças e acordos é uma questão superficial o suficiente. A amizade profunda e duradoura é capaz de reconhecer e lidar com todas as diferenças fundamentais que devem existir entre dois indivíduos, um capaz, portanto, de um enriquecimento tão grande de nossas personalidades que, juntos, alcançaremos novos patamares de entendimento e esforço.

• Está claro, então, que não vamos ao nosso grupo - sindicato, conselho da cidade, faculdade - ser passivos e aprender, e não procuramos algo que já decidimos que queremos. Cada um deve descobrir e contribuir com aquilo que o distingue dos outros, sua diferença. O único uso para a minha diferença é juntá-lo a outras diferenças. A unificação dos opostos é o processo eterno.

• Aprendo meu dever para com meus amigos não lendo ensaios sobre amizade, mas vivendo minha vida com meus amigos e aprendendo experimentando as obrigações que a amizade exige.

• Integramos nossa experiência e, em seguida, o ser humano mais rico que somos entra na nova experiência; novamente nos entregamos e sempre elevando-nos acima do antigo eu.

• A experiência pode ser difícil, mas reivindicamos seus dons porque são reais, mesmo que nossos pés sangrem nas pedras.

• A lei flui de nossa vida, portanto, não pode estar acima dela. A fonte do poder vinculativo da lei não está no consentimento da comunidade, mas no fato de que ela foi produzida pela comunidade. Isso nos dá uma nova concepção de lei.

• Quando encaramos a lei como uma coisa, pensamos nela como uma coisa acabada; no momento em que o vemos como um processo, pensamos sempre em evolução. Nossa lei deve levar em conta nossas condições sociais e econômicas, e deve fazê-lo novamente amanhã e novamente dia após amanhã. Não queremos um novo sistema jurídico a cada nascer do sol, mas queremos um método pelo qual nossa lei seja capaz de assimilar dia a dia o que ele precisa para agir sobre a vida da qual tirou sua existência e para a qual ela deve ministrar. O fluido vital da comunidade, o sangue de sua vida, deve passar tão continuamente da vontade comum para a lei e da lei para a vontade comum que uma circulação perfeita será estabelecida. Não "descobrimos" os princípios legais que nos convém acender velas antes para sempre, mas os princípios legais são o resultado de nossa vida cotidiana. Nossa lei, portanto, não pode se basear em princípios "fixos": nossa lei deve ser intrínseca ao processo social.

• Alguns escritores falam de justiça social como se uma idéia definitiva dela existisse, e que tudo o que precisamos fazer para regenerar a sociedade é direcionar nossos esforços para a realização desse ideal. Mas o ideal de justiça social é ele próprio um desenvolvimento coletivo e progressivo, isto é, é produzido através de nossa vida associada e é produzido de novo a cada dia.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos