Vida

Filosofia Moderna

Filosofia Moderna


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O início do período moderno foi um dos momentos mais inovadores da filosofia ocidental, durante o qual foram propostas novas teorias da mente e da matéria, do divino e da sociedade civil - entre outras. Embora suas fronteiras não sejam facilmente estabelecidas, o período durou aproximadamente do final dos anos 1400 até o final do século XVIII. Entre seus protagonistas, figuras como Descartes, Locke, Hume e Kant publicaram livros que moldariam nossa compreensão moderna da filosofia.

Definindo o início e o fim do período

As raízes da filosofia moderna primitiva remontam aos anos 1200 - até o momento mais maduro da tradição escolar. As filosofias de autores como Tomás de Aquino (1225-1274), Ockham (1288-1348) e Buridan (1300-1358) concederam total confiança às faculdades racionais humanas: se Deus nos deu a faculdade de raciocinar, confiaríamos que através dessa faculdade podemos alcançar uma compreensão completa dos assuntos mundanos e divinos.

Indiscutivelmente, no entanto, o impulso filosófico mais inovador ocorreu durante os anos 1400, com a ascensão dos movimentos humanísticos e renascentistas. Graças à intensificação das relações com sociedades não europeias, ao conhecimento preexistente da filosofia grega e à generosidade dos magnatas que apoiavam suas pesquisas, os humanistas redescobriram os textos centrais do período grego antigo - novas ondas de platonismo, aristotelianismo, estoicismo, ceticismo, e o epicurismo se seguiu, cuja influência impactaria grandemente figuras-chave da modernidade primitiva.

Descartes e Modernidade

Descartes é frequentemente considerado o primeiro filósofo da modernidade. Ele não apenas era um cientista de primeira linha na vanguarda de novas teorias da matemática e da matéria, mas também possuía visões radicalmente novas da relação entre mente e corpo, bem como a onipotência de Deus. Sua filosofia, no entanto, não se desenvolveu isoladamente. Em vez disso, foi uma reação a séculos de filosofia escolástica que forneceu uma refutação às idéias anti-escolásticas de alguns de seus contemporâneos. Entre eles, por exemplo, encontramos Michel de Montaigne (1533-1592), um estadista e autor, cujos "Essais" estabeleceram um novo gênero na Europa moderna, que supostamente provocou o fascínio de Descartes por dúvidas céticas.

Em outras partes da Europa, a filosofia pós-cartesiana ocupava um capítulo central da filosofia moderna primitiva. Juntamente com a França, a Holanda e a Alemanha tornaram-se lugares centrais da produção filosófica e seus representantes mais ilustres alcançaram grande fama. Entre eles, Spinoza (1632-1677) e Leibniz (1646-1716) ocupavam papéis-chave, ambos expressando sistemas que poderiam ser lidos como tentativas de corrigir os principais erros do cartesianismo.

Empirismo britânico

A revolução científica - que Descartes representou na França - também teve uma grande influência na filosofia britânica. Durante os anos 1500, uma nova tradição empirista se desenvolveu na Grã-Bretanha. O movimento inclui várias figuras importantes do início da era moderna, incluindo Francis Bacon (1561-1626), John Locke (1632-1704), Adam Smith (1723-1790) e David Hume (1711-1776).

O empirismo britânico também está nas raízes da chamada "filosofia analítica" - uma tradição filosófica contemporânea centrada na análise ou dissecação dos problemas filosóficos, em vez de abordá-los todos de uma vez. Embora uma definição única e incontroversa de filosofia analítica dificilmente possa ser fornecida, ela pode ser eficazmente caracterizada pela inclusão das obras dos grandes empiristas britânicos da época.

Iluminação e Kant

Nos anos 1700, a filosofia européia foi permeada por um novo movimento filosófico: o Iluminismo. Também conhecido como "A Era da Razão" por causa do otimismo na capacidade dos seres humanos de melhorar suas condições existenciais apenas por meio da ciência, o Iluminismo pode ser visto como o culminar de certas idéias avançadas pelos filósofos medievais: Deus deu razão aos seres humanos como um de nossos instrumentos mais preciosos e, desde então, Deus é bom, a razão - que é obra de Deus - é em sua essência boa; somente pela razão, os seres humanos podem alcançar o bem. Que boca cheia!

Mas essa iluminação levou a um grande despertar nas sociedades do homem - expresso através da arte, inovação, avanços tecnológicos e uma expansão da filosofia. De fato, no final da filosofia moderna primitiva, o trabalho de Immanuel Kant (1724-1804) lançou as bases da própria filosofia moderna.


Assista o vídeo: Filosofia Moderna. Períodos da História da Filosofia - Brasil Escola (Fevereiro 2023).

Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos