Conselhos

O que é retórica?

O que é retórica?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Amplamente definido em nosso tempo como a arte da comunicação eficaz, o retórica estudou na Grécia antiga e em Roma (desde o século V a.C. até o início da Idade Média) tinha como objetivo principal ajudar os cidadãos a apresentar suas queixas em tribunal. Embora os primeiros professores de retórica, conhecidos como sofistas, tenham sido criticados por Platão e outros filósofos, o estudo da retórica logo se tornou a pedra angular da educação clássica.

As teorias modernas da comunicação oral e escrita permanecem fortemente influenciadas pelos princípios retóricos básicos introduzidos na Grécia antiga por Isócrates e Aristóteles e em Roma por Cícero e Quintiliano. Aqui, apresentaremos brevemente essas figuras-chave e identificaremos algumas de suas idéias centrais.

"Retórica" ​​na Grécia antiga

"A palavra em inglês retórica é derivado do grego retórico, que aparentemente entrou em uso no círculo de Sócrates no século V e aparece pela primeira vez no diálogo de Platão Górgias, provavelmente escrito cerca de 385 aC… Rhetorike em grego, denota especificamente a arte cívica de falar em público, desenvolvida em assembléias deliberativas, tribunais e outras ocasiões formais sob governo constitucional nas cidades gregas, especialmente a democracia ateniense. Como tal, é um subconjunto cultural de um conceito mais geral do poder das palavras e seu potencial de afetar uma situação na qual elas são usadas ou recebidas. "(George A. Kennedy, Uma nova história da retórica clássica, 1994)

Platão (c.428-c.348 a.C.): Adulação e culinária

Aluno (ou pelo menos associado) do grande filósofo ateniense Sócrates, Platão expressou seu desdém pela falsa retórica em Górgias, um trabalho inicial. Em um trabalho muito posterior, Fedro, ele desenvolveu uma retórica filosófica, que pedia o estudo das almas dos seres humanos para descobrir a verdade.

"A retórica me parece então ... ser uma busca que não é uma questão de arte, mas mostrar um espírito astuto e galante que tem uma inclinação natural por lidar com a humanidade de maneira inteligente, e eu resumo sua substância em nome bajulação... Bem, agora você já ouviu o que eu afirmo ser a retórica - a contrapartida da culinária da alma, atuando aqui como no corpo. "(Platão, Górgiasc. 385 a.C., traduzido por W.R.M. Cordeiro)

"Como a função da oratória é de fato influenciar as almas dos homens, o orador intencionado deve saber que tipos de alma existem. Agora, estes são de um número determinado e sua variedade resulta em uma variedade de indivíduos. Para os tipos de alma assim discriminado corresponde a um número determinado de tipos de discurso, portanto, um certo tipo de ouvinte será fácil de convencer, por um certo tipo de discurso, a tomar tal e qual ação por tal e tal razão, enquanto outro tipo será difícil de convencer. isso o orador deve entender completamente e, em seguida, deve observar a realidade, exemplificada na conduta dos homens, e deve cultivar uma percepção aguçada de segui-la, se quiser tirar vantagem da instrução anterior que lhe foi dada no escola." (Platão, Fedroc. 370 a.C., traduzido por R. Hackforth)

Isócrates (436-338 a.C.): Com amor à sabedoria e à honra

Contemporâneo de Platão e fundador da primeira escola de retórica de Atenas, Isócrates via a retórica como uma ferramenta poderosa para investigar problemas práticos.

"Quando alguém decide falar ou escrever discursos dignos de louvor e honra, não é concebível que essa pessoa apóie causas injustas ou mesquinhas ou dedicadas a discussões particulares, e não aquelas que são grandes e honradas, dedicadas ao bem-estar da humanidade e ao bem comum. Segue-se, então, que o poder de falar bem e pensar corretamente recompensará a pessoa que se aproxima da arte do discurso com amor à sabedoria e amor à honra ". (Isócrates, Antidose, 353 a.C., traduzido por George Norlin)

Aristóteles (384-322 a.C.): "Os meios disponíveis de persuasão"

O aluno mais famoso de Platão, Aristóteles, foi o primeiro a desenvolver uma teoria completa da retórica. Em suas notas de aula (conhecidas por nós como Retórica), Aristóteles desenvolveu princípios de argumentação que permanecem extremamente influentes atualmente. Como W.D. Ross observou em sua introdução a As obras de Aristóteles (1939), "A retórica Pode parecer, à primeira vista, uma curiosa mistura de críticas literárias com lógica, ética, política e jurisprudência de segunda classe, misturadas pela astúcia de quem sabe bem como devem ser aproveitadas as fraquezas do coração humano. Para entender o livro, é essencial ter em mente seu propósito puramente prático. Não é um trabalho teórico sobre nenhum desses assuntos; é um manual para o orador ... Muito do que Aristóteles diz se aplica apenas às condições da sociedade grega, mas muito é permanentemente verdadeiro ".

"Que a retórica seja definida como uma capacidade, em cada caso particular, de ver os meios disponíveis de persuasão. Esta é a função de nenhuma outra arte; pois cada uma das outras é instrutiva e persuasiva sobre seu próprio assunto". (Aristóteles, Em retórica, final do século IV aC .; traduzido por George A. Kennedy, 1991)

Cícero (106-43 a.C.): provar, agradar e persuadir

Membro do Senado Romano, Cícero foi o praticante e teórico mais influente da retórica antiga que já viveu. EmDe Oratore (Orador), Cícero examinou as qualidades do que ele considerava o orador ideal.

"Existe um sistema científico de política que inclui muitos departamentos importantes. Um desses departamentos - um grande e importante - é a eloqüência baseada nas regras da arte, que eles chamam de retórica. Pois eu não concordo com aqueles que pensam que a ciência política não precisa de eloquência, e eu discordo violentamente daqueles que pensam que ela é totalmente compreendida no poder e na habilidade do retórico.Portanto, classificaremos a capacidade oratória como parte da ciência política.A função da eloquência parece seja para falar de uma maneira adequada para persuadir uma audiência, o fim é persuadir pelo discurso ". (Marcus Tullius Cicero,De Inventione, 55 a.C., traduzido por H.M. Hubbell)

"O homem de eloquência a quem procuramos, seguindo a sugestão de Antonius, será capaz de falar em tribunal ou em órgãos deliberativos, a fim de provar, agradar, influenciar ou persuadir. Provar é a primeira necessidade, agradar é charme, influenciar é vitória, pois é a única coisa de que mais se beneficia nos veredictos vencidos.Para essas três funções do orador, existem três estilos: o estilo simples de prova, o estilo intermediário de prazer, o estilo vigoroso de persuasão e, neste último, é resumida toda a virtude do orador: agora o homem que controla e combina esses três estilos variados precisa de raro julgamento e grande dom; pois ele decidirá o que é necessário a qualquer momento e ser capaz de falar da maneira que o caso exigir. Afinal, o fundamento da eloquência, como de tudo o mais, é a sabedoria. Em uma oração, como na vida, nada é mais difícil do que determinar o que é apropriado ". (Marcus Tullius Cicero,De Oratore, 46 a.C., traduzido por H.M. Hubbell)

Quintiliano (c.35-c.100): O homem bom falando bem

Grande retórica romana, a reputação de Quintilian repousa sobreInstitutio Oratoria (Institutos de Oratória), um compêndio do melhor da teoria retórica antiga.

"Pela minha parte, assumi a tarefa de moldar o orador ideal e, como meu primeiro desejo é que ele seja um homem bom, voltarei àqueles que têm opiniões mais sólidas sobre o assunto ... A definição que melhor se adapta ao seu real caráter é aquele que faz da retórica aciência de falar bem. Pois esta definição inclui todas as virtudes da oratória e também o caráter do orador, uma vez que nenhum homem pode falar bem quem não é bom. "(Quintiliano,Institutio Oratoria, 95, traduzido por H. E. Butler)

Santo Agostinho de Hipona (354-430): O objetivo da eloquência

Conforme descrito em sua autobiografia (As Confissões), Agostinho era estudante de direito e, por dez anos, professor de retórica no norte da África antes de estudar com Ambrose, o bispo de Milão e um orador eloquente. No livro IV deSobre a Doutrina CristãAgostinho justifica o uso da retórica para espalhar a doutrina do cristianismo.

"Afinal, a tarefa universal da eloquência, em qualquer um desses três estilos, é falar de uma maneira voltada à persuasão. O objetivo, o que você pretende, é persuadir falando. Em qualquer um desses três estilos, de fato , o homem eloquente fala de uma maneira voltada para a persuasão, mas se ele realmente não convencer, ele não alcançará o objetivo da eloquência. "(Santo Agostinho,De Doctrina Christiana, 427, traduzido por Edmund Hill)

Pós-escrito em Retórica Clássica: "Digo"

"A palavraretórica em última análise, remonta à simples afirmação "eu digo" (eiro em grego). Quase tudo relacionado ao ato de dizer algo a alguém - na fala ou na escrita - pode se enquadrar no domínio da retórica como um campo de estudo. "(Richard E. Young, Alton L. Becker e Kenneth L. Pique,Retórica: Descoberta e Mudança, 1970)


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos