Interessante

Biografia de Fidel Castro

Biografia de Fidel Castro


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Fidel Alejandro Castro Ruz (1926-2016) foi um advogado, revolucionário e político cubano. Ele foi a figura central na Revolução Cubana (1956-1959), que retirou o ditador Fulgencio Batista do poder e o substituiu por um regime comunista amigo da União Soviética. Por décadas, ele desafiou os Estados Unidos, que tentaram assassiná-lo ou substituí-lo inúmeras vezes. Uma figura controversa, muitos cubanos o consideram um monstro que destruiu Cuba, enquanto outros o consideram um visionário que salvou sua nação dos horrores do capitalismo.

Primeiros anos

Fidel Castro foi um dos vários filhos ilegítimos nascidos do agricultor de classe média Angel Castro y Argíz e sua empregada doméstica, Lina Ruz González. O pai de Castro acabou se divorciando de sua esposa e se casando com Lina, mas o jovem Fidel ainda cresceu com o estigma de ser ilegítimo. Ele recebeu o sobrenome de seu pai aos 17 anos e teve os benefícios de ser criado em uma casa rica.

Ele era um estudante talentoso, educado nos internatos jesuítas e decidiu seguir uma carreira em direito, ingressando na Faculdade de Direito da Universidade de Havana em 1945. Enquanto estava na escola, ele se envolveu cada vez mais em política, ingressando no Partido Ortodoxo, favor de uma drástica reforma do governo para reduzir a corrupção.

Vida pessoal

Castro casou-se com Mirta Díaz Balart em 1948. Ela veio de uma família rica e politicamente conectada. Eles tiveram um filho e se divorciaram em 1955. Mais tarde na vida, ele se casou com Dalia Soto del Valle em 1980 e teve mais cinco filhos. Ele teve vários outros filhos fora de seus casamentos, incluindo Alina Fernández, que escapou de Cuba para a Espanha usando papéis falsos e depois morou em Miami, onde criticou o governo cubano.

Revolução Brewing em Cuba

Quando Batista, que havia sido presidente no início da década de 1940, assumiu abruptamente o poder em 1952, Castro tornou-se ainda mais politizado. Castro, como advogado, tentou montar uma contestação legal ao reinado de Batista, demonstrando que a Constituição cubana havia sido violada por seu poder. Quando os tribunais cubanos se recusaram a ouvir a petição, Castro decidiu que os assaltos a Batista nunca funcionariam: se ele quisesse mudar, teria que usar outros meios.

Ataque ao quartel de Moncada

O carismático Castro começou a atrair convertidos à sua causa, incluindo seu irmão Raúl. Juntos, eles adquiriram armas e começaram a organizar um ataque ao quartel militar de Moncada. Eles atacaram em 26 de julho de 1953, no dia seguinte a um festival, na esperança de pegar os soldados ainda bêbados ou de ressaca. Uma vez que o quartel fosse capturado, haveria armas suficientes para montar uma insurgência em grande escala. Infelizmente para Castro, o ataque falhou: a maioria dos 160 rebeldes foi morta, no ataque inicial ou nas prisões do governo mais tarde. Fidel e seu irmão Raul foram capturados.

"A história me absolverá"

Castro liderou sua própria defesa, usando seu julgamento público como plataforma para levar seu argumento ao povo de Cuba. Ele escreveu uma defesa apaixonada por suas ações e a contrabandou para fora da prisão. Durante o julgamento, ele proferiu seu famoso slogan: "A história me absolverá". Ele foi condenado à morte, mas quando a pena de morte foi abolida, sua sentença foi alterada para 15 anos de prisão. Em 1955, Batista sofreu crescente pressão política para reformar sua ditadura e libertou vários presos políticos, incluindo Castro.

México

O recém-libertado Castro foi para o México, onde fez contato com outros exilados cubanos ansiosos para derrubar Batista. Ele fundou o Movimento 26 de julho e começou a fazer planos para um retorno a Cuba. No México, ele conheceu Ernesto "Ché" Guevara e Camilo Cienfuegos, que estavam destinados a desempenhar papéis importantes na Revolução Cubana. Os rebeldes adquiriram armas, treinaram e coordenaram seu retorno com colegas insurgentes nas cidades cubanas. Em 25 de novembro de 1956, 82 membros do movimento embarcaram no iate Granma e partiram para Cuba, chegando em 2 de dezembro.

De volta a Cuba

A força de Granma foi detectada e emboscada, e muitos dos rebeldes foram mortos. Castro e os outros líderes sobreviveram, no entanto, e chegaram às montanhas no sul de Cuba. Eles permaneceram lá por um tempo, atacando forças e instalações do governo e organizando células de resistência nas cidades de Cuba. O movimento, lenta mas seguramente, ganhou força, especialmente quando a ditadura derrotou ainda mais a população.

A revolução de Castro é bem-sucedida

Em maio de 1958, Batista lançou uma campanha massiva destinada a acabar com a rebelião de uma vez por todas. No entanto, ele saiu pela culatra, pois Castro e suas forças conseguiram várias vitórias improváveis ​​sobre as forças de Batista, o que levou a deserções em massa no exército. No final de 1958, os rebeldes conseguiram entrar na ofensiva, e as colunas lideradas por Castro, Cienfuegos e Guevara capturaram grandes cidades. Em 1º de janeiro de 1959, Batista assustou e fugiu do país. Em 8 de janeiro de 1959, Castro e seus homens marcharam para Havana em triunfo.

Regime Comunista de Cuba

Castro logo implementou um regime comunista ao estilo soviético em Cuba, para grande desgosto dos Estados Unidos. Isso levou a décadas de conflito entre Cuba e os EUA, incluindo incidentes como a Crise dos Mísseis Cubanos, a invasão da Baía dos Porcos e o teleférico de Mariel. Castro sobreviveu a inúmeras tentativas de assassinato, algumas brutas, outras bastante inteligentes. Cuba foi submetida a um embargo econômico que teve sérios efeitos na economia cubana. Em fevereiro de 2008, Castro renunciou ao cargo de presidente, embora permanecesse ativo no partido comunista. Ele morreu em 25 de novembro de 2016, aos 90 anos.

Legado

Fidel Castro e a Revolução Cubana tiveram um efeito profundo na política mundial desde 1959. Sua revolução inspirou muitas tentativas de imitação e revoluções estouradas em países como Nicarágua, El Salvador, Bolívia e muito mais. No sul da América do Sul, toda uma colheita de insurgências surgiu nas décadas de 1960 e 1970, incluindo os Tupamaros no Uruguai, o MIR no Chile e o Montoneros na Argentina, apenas para citar alguns. A Operação Condor, uma colaboração de governos militares na América do Sul, foi organizada para destruir esses grupos, que esperavam incitar a próxima Revolução ao estilo cubano em seus países de origem. Cuba ajudou muitos desses grupos insurgentes com armas e treinamento.

Enquanto alguns foram inspirados por Castro e sua revolução, outros ficaram horrorizados. Muitos políticos nos Estados Unidos viam a Revolução Cubana como uma "barreira" perigosa para o comunismo nas Américas, e bilhões de dólares foram gastos sustentando governos de direita em lugares como Chile e Guatemala. Ditadores como Augusto Pinochet, do Chile, foram violadores graves dos direitos humanos em seus países, mas foram eficazes em impedir que as revoluções no estilo cubano assumissem o controle.

Muitos cubanos, principalmente os da classe média e alta, fugiram de Cuba logo após a revolução. Esses emigrantes cubanos geralmente desprezam Castro e sua revolução. Muitos fugiram porque temiam a repressão que se seguiu à conversão de Castro do estado e da economia cubanos ao comunismo. Como parte da transição para o comunismo, muitas empresas e terras privadas foram confiscadas pelo governo.

Ao longo dos anos, Castro manteve o controle da política cubana. Ele nunca desistiu do comunismo, mesmo após a queda da União Soviética, que apoiou Cuba com dinheiro e comida por décadas. Cuba é um genuíno estado comunista, onde as pessoas compartilham trabalho e recompensas, mas custou privação, corrupção e repressão. Muitos cubanos fugiram do país, muitos levando para o mar em jangadas com vazamentos na esperança de chegar à Flórida.

Castro certa vez proferiu a famosa frase: “A história me absolverá.” O júri ainda está em discussão sobre Fidel Castro, e a história pode absolvê-lo e amaldiçoá-lo. De qualquer maneira, o certo é que a história não o esquecerá tão cedo.

Fontes:

Jorge C. Castañeda Companheiro: a vida e a morte de Che Guevara. Nova York: Vintage Books, 1997.

Coltman, Leycester. O verdadeiro Fidel Castro. New Haven e Londres: Yale University Press, 2003.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos