Interessante

História do raio catódico

História do raio catódico


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Um raio catódico é um feixe de elétrons em um tubo de vácuo que viaja do eletrodo carregado negativamente (cátodo) em uma extremidade ao eletrodo carregado positivamente (ânodo) na outra, através de uma diferença de tensão entre os eletrodos. Eles também são chamados de feixes de elétrons.

Como os raios catódicos funcionam

O eletrodo na extremidade negativa é chamado de cátodo. O eletrodo na extremidade positiva é chamado de ânodo. Como os elétrons são repelidos pela carga negativa, o cátodo é visto como a "fonte" do raio do cátodo na câmara de vácuo. Os elétrons são atraídos para o ânodo e viajam em linhas retas pelo espaço entre os dois eletrodos.

Os raios catódicos são invisíveis, mas seu efeito é excitar átomos no vidro oposto ao catodo, pelo ânodo. Eles viajam em alta velocidade quando a tensão é aplicada aos eletrodos e alguns desviam o ânodo para atingir o vidro. Isso faz com que os átomos no vidro sejam elevados a um nível de energia mais alto, produzindo um brilho fluorescente. Essa fluorescência pode ser aprimorada aplicando produtos químicos fluorescentes na parede traseira do tubo. Um objeto colocado no tubo lançará uma sombra, mostrando que os elétrons fluem em uma linha reta, um raio.

Os raios catódicos podem ser desviados por um campo elétrico, que é uma evidência de que ele é composto de partículas de elétrons em vez de fótons. Os raios de elétrons também podem passar através de uma fina folha de metal. No entanto, os raios catódicos também exibem características semelhantes a ondas em experimentos com treliça de cristal.

Um fio entre o ânodo e o cátodo pode retornar os elétrons ao cátodo, completando um circuito elétrico.

Os tubos de raios catódicos foram a base da transmissão de rádio e televisão. Aparelhos de televisão e monitores de computador antes do lançamento de telas de plasma, LCD e OLED eram tubos de raios catódicos (CRTs).

História dos Raios Catódicos

Com a invenção de 1650 da bomba de vácuo, os cientistas puderam estudar os efeitos de diferentes materiais nos aspiradores, e logo estavam estudando eletricidade no vácuo. Foi registrado em 1705 que em vazios (ou próximos a vazamentos) as descargas elétricas podiam percorrer uma distância maior. Tais fenômenos se tornaram populares como novidades, e até físicos respeitáveis, como Michael Faraday, estudaram os efeitos deles. Johann Hittorf descobriu raios catódicos em 1869 usando um tubo de Crookes e observando sombras projetadas na parede brilhante do tubo oposto ao cátodo.

Em 1897, J. J. Thomson descobriu que a massa das partículas nos raios catódicos era 1800 vezes mais leve que o hidrogênio, o elemento mais leve. Essa foi a primeira descoberta de partículas subatômicas, que passaram a ser chamadas elétrons. Ele recebeu o Prêmio Nobel de Física em 1906 por este trabalho.

No final de 1800, o físico Phillip von Lenard estudou intensamente os raios catódicos e seu trabalho com eles rendeu-lhe o Prêmio Nobel de Física de 1905.

A aplicação comercial mais popular da tecnologia de raios catódicos está na forma de aparelhos de televisão tradicionais e monitores de computador, embora estes estejam sendo suplantados por telas mais recentes, como o OLED.



Comentários:

  1. Ardel

    Olá! Obrigado pelas boas emoções apresentadas...

  2. Fekinos

    Outra variante também é possível

  3. Sever

    Isso é uma brincadeira?

  4. Elija

    Frio. Vou adicionar o blog aos meus favoritos e aconselhar meus amigos. Espere por novos leitores :) (sim. Estou esperando.)



Escreve uma mensagem

Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos