Interessante

Tudo sobre o Deus Sol Inca

Tudo sobre o Deus Sol Inca


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A cultura inca da América do Sul ocidental tinha uma religião complexa e uma de suas divindades mais importantes era Inti, o Sol. Havia muitos templos nos cultos de Inti e Sun que afetavam muitos aspectos da vida dos incas, incluindo arquitetura, festivais e o status semi-divino da família real.

O Império Inca

O Império Inca se estendeu da atual Colômbia ao Chile e incluiu a maior parte do Peru e Equador. Os incas eram uma cultura avançada e rica, com manutenção sofisticada de registros, astronomia e arte. Originalmente da área do Lago Titicaca, os incas já foram uma tribo de muitos no alto dos Andes, mas começaram um programa sistemático de conquista e assimilação e, no momento do primeiro contato com os europeus, seu império era vasto e complexo. Os conquistadores espanhóis sob Francisco Pizarro encontraram o Inca pela primeira vez em 1533 e conquistaram rapidamente o Império.

Religião Inca

A religião inca era complicada e incorporava muitos aspectos do céu e da natureza. Os incas tinham um tipo de panteão: deuses principais que tinham personalidades e deveres individuais. O Inca também venerava incontáveis huacas: eram espíritos menores que habitavam lugares, coisas e às vezes pessoas. UMA huaca poderia ser qualquer coisa que se destacasse do ambiente: uma árvore grande, uma cachoeira ou até mesmo uma pessoa com uma curiosa marca de nascença. Os incas também veneravam seus mortos e consideravam a família real semi-divina, descendente do sol.

Inti, o Deus do Sol

Dos deuses principais, Inti, o Deus do Sol, ficou em segundo lugar apenas em Viracocha, o deus criador. Inti era mais alto do que outros deuses, como o Deus do Trovão e Pachamama, a Mãe Terra. O Inca visualizou Inti como homem: sua esposa era a lua. Inti era o Sol e controlava tudo o que implica: o Sol traz calor, luz e sol necessários para a agricultura. O Sol (em conjunto com a Terra) tinha poder sobre todos os alimentos: era por sua vontade que as colheitas cresciam e os animais prosperavam.

O Deus do Sol e a Família Real

A família real Inca acreditava que eles eram diretamente descendentes de Apu Inti ("Lord Sun") através do primeiro grande governante inca, Manco Capac. A família real inca era, portanto, considerada semi-divina pelo povo. O próprio Inca - a palavra Inca na verdade significa "Rei" ou "Imperador", embora agora se refira a toda a cultura - era considerado muito especial e sujeito a certas regras e privilégios. Atahualpa, o último verdadeiro imperador dos Incas, foi o único observado pelos espanhóis. Como descendente do Sol, todos os seus caprichos foram cumpridos. Tudo o que tocava era guardado para ser queimado mais tarde: incluía tudo, desde espigas de milho meio comidas a mantos e roupas suntuosas. Como a família real Inca se identificou com o Sol, não é por acaso que os maiores templos do Império foram dedicados a Inti.

O templo de Cuzco

O maior templo do Império Inca era o templo do Sol em Cuzco. O povo inca era rico em ouro, e este templo era incomparável em sua magnificência. Era conhecido como Coricancha ("Templo Dourado") ou Inti Cancha ou Inti Wasi ("Templo do Sol" ou "Casa do Sol"). O complexo do templo era enorme e incluía aposentos para padres e servos. Havia um edifício especial para o mamaconas, mulheres que serviam ao Sol e até dormiam no mesmo quarto que um dos ídolos do Sol: diziam que eram suas esposas. Os incas eram mestres em pedreiros e o templo representava o auge do trabalho em pedra inca: algumas partes do templo ainda são visíveis hoje (os espanhóis construíram uma igreja e convento dominicano no local). O templo estava cheio de objetos de ouro: algumas paredes estavam cobertas de ouro. Muito desse ouro foi enviado para Cajamarca como parte do resgate de Atahualpa.

Adoração ao Sol

Muita arquitetura Inca foi projetada e construída para ajudar no culto ao Sol, Lua e estrelas. Os incas costumavam construir pilares que marcavam a posição do Sol nos solstícios, que eram celebrados por grandes festivais. Os senhores incas presidiriam tais festivais. No grande templo do Sol, uma mulher Inca de alto escalão - geralmente a irmã do Inca reinante, se disponível - estava encarregada das mulheres enclausuradas que serviam como as "esposas" do Sol. Os sacerdotes observavam dias sagrados como como solstícios e preparou os sacrifícios e ofertas apropriados.

Eclipses

O Inca não podia prever eclipses solares e, quando um acontecia, tendia a incomodá-los bastante. Os adivinhos tentariam descobrir por que Inti estava descontente, e sacrifícios seriam oferecidos. Os incas raramente praticavam sacrifícios humanos, mas às vezes um eclipse era considerado causa. O Inca reinante costumava jejuar por dias após um eclipse e retirar-se dos deveres públicos.

Inti Raymi

Um dos eventos religiosos mais importantes do Inca foi Inti Ramyi, o festival anual do sol. Ocorreu no sétimo mês do calendário inca de 20 ou 21 de junho, a data do solstício de verão. Inti Raymi foi comemorado em todo o Império, mas a celebração principal ocorreu em Cuzco, onde o Inca reinante presidia as cerimônias e festividades. Foi inaugurado com o sacrifício de 100 lhamas selecionadas para peles marrons. O festival durou vários dias. Estátuas do Deus do Sol e outros deuses foram trazidos, vestidos e desfilaram ao redor, e foram feitos sacrifícios a eles. Havia muita bebida, canto e dança. Estátuas especiais foram feitas de madeira, representando certos deuses: estas foram queimadas no final do festival. Após o festival, as cinzas das estátuas e dos sacrifícios foram trazidas para um local especial na encosta de uma colina: somente os que se dispunham dessas cinzas podiam ir para lá.

Adoração do Sol Inca

O deus sol inca era relativamente benigno: ele não era destrutivo ou violento como alguns deuses do sol asteca como Tonatiuh ou Tezcatlipoca. Ele só mostrou sua ira quando houve um eclipse, quando os sacerdotes incas sacrificariam pessoas e animais para acalmá-lo.

Os padres espanhóis consideravam a adoração ao sol como pagã, na melhor das hipóteses (e na pior das hipóteses, a adoração ao Diabo, disfarçada) e se esforçavam bastante para acabar com isso. Templos foram destruídos, ídolos queimados, festivais proibidos. É um testemunho sombrio de seu zelo de que pouquíssimos andinos praticam hoje qualquer tipo de religião tradicional.

A maior parte da grande ourivesaria inca do Templo do Sol de Cuzco e de outras partes do mundo encontrou seu caminho para os incêndios dos conquistadores espanhóis - inúmeros tesouros artísticos e culturais foram derretidos e enviados para a Espanha. O padre Bernabé Cobo conta a história de um soldado espanhol chamado Manso Serra que recebeu um enorme ídolo do sol inca como parte do resgate de Atahualpa. Serra perdeu o jogo dos ídolos e seu destino final é desconhecido.

Inti está desfrutando de um retorno recentemente. Depois de séculos esquecidos, Inti Raymi está sendo comemorado mais uma vez em Cuzco e outras partes do antigo Império Inca. O festival é popular entre os andinos nativos, que o veem como uma maneira de recuperar sua herança perdida, e os turistas, que apreciam os dançarinos coloridos.

Fontes

De Betanzos, Juan. (traduzido e editado por Roland Hamilton e Dana Buchanan) Narrativa dos incas. Austin: University of Texas Press, 2006 (1996).

Cobo, padre Bernabe. "Religião e costumes incas". Roland Hamilton (Tradutor), Brochura, edição New Ed, University of Texas Press, 1 de maio de 1990.

Sarmiento de Gamboa, Pedro. (traduzido por Sir Clement Markham). História dos Incas. 1907. Mineola: Dover Publications, 1999.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos