Interessante

Ideia de Nietzsche de retorno eterno

Ideia de Nietzsche de retorno eterno


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A idéia de retorno eterno, ou recorrência eterna, existe de várias formas desde a antiguidade. Simplificando, é a teoria de que a existência se repete em um ciclo infinito, à medida que a energia e a matéria se transformam ao longo do tempo. Na Grécia antiga, os estóicos acreditavam que o universo passava por repetidas etapas de transformação semelhantes às encontradas na "roda do tempo" do hinduísmo e do budismo.

Mais tarde, essas idéias do tempo cíclico ficaram fora de moda, especialmente no Ocidente, com a ascensão do cristianismo. Uma exceção notável é encontrada na obra de Friedrich Nietzsche (1844-1900), um pensador alemão do século XIX que era conhecido por sua abordagem não convencional à filosofia. Uma das idéias mais famosas de Nietzsche é a de recorrência eterna, que aparece na penúltima seção de seu livro "A Ciência Gay".

Eterna Recorrência

"The Gay Science" é uma das obras mais pessoais de Nietzsche, colecionando não apenas suas reflexões filosóficas, mas também uma série de poemas, aforismos e canções. A idéia de recorrência eterna - que Nietzsche apresenta como uma espécie de experimento mental - aparece no Aforismo 341, "O Maior Peso":

"O que, se algum dia ou noite um demônio roubar atrás de você em sua solidão mais solitária e lhe disser: 'Esta vida como você a vive e a viveu, terá que viver mais uma vez e inúmeras vezes mais; e não haverá nada de novo nele, mas toda dor, toda alegria, todo pensamento e suspiro e tudo indescritivelmente pequeno ou grande em sua vida terão que voltar para você, tudo na mesma sucessão e sequência - até essa aranha e esse luar entre as árvores, e até este momento e eu. A eterna ampulheta da existência é virada de cabeça para baixo de novo e de novo, e você com ela, um grão de poeira!
"Você não se jogaria no chão e rangeu os dentes e amaldiçoou o demônio que falou assim? Ou você já experimentou um momento tremendo em que teria respondido a ele: 'Você é um deus e nunca ouvi nada mais divino.' Se esse pensamento se apoderasse de você, ele o mudaria como você é ou talvez o esmagaria. A pergunta em cada coisa: "Você deseja isso mais uma vez e inúmeras vezes mais?" mentiria sobre suas ações como o maior peso. Ou quão bem disposto você teria para se tornar para si mesmo e para a vida? "

Nietzsche relatou que esse pensamento lhe ocorreu repentinamente um dia em agosto de 1881, enquanto passeava ao longo de um lago na Suíça. Depois de apresentar a idéia no final de "The Gay Science", ele a transformou em um dos conceitos fundamentais de seu próximo trabalho, "Thus Spoke Zarathustra". Zaratustra, a figura profética que proclama os ensinamentos de Nietzsche neste volume, reluta inicialmente em articular a idéia, até consigo mesmo. Eventualmente, porém, ele proclama que a recorrência eterna é uma verdade alegre, que deve ser adotada por qualquer pessoa que viva a vida ao máximo.

Curiosamente, a recorrência eterna não aparece de maneira muito proeminente em nenhum dos trabalhos publicados por Nietzsche após "Thus Spoke Zarathustra". No entanto, há uma seção dedicada à idéia em "A Vontade de Poder", uma coleção de notas publicadas pela irmã de Nietzsche, Elizabeth, em 1901. Na passagem, Nietzsche parece considerar seriamente a possibilidade de que a doutrina seja literalmente verdadeira. É significativo, no entanto, que o filósofo nunca insista na verdade literal da idéia em nenhum de seus outros escritos publicados. Em vez disso, ele apresenta recorrência eterna como uma espécie de experimento mental, um teste da atitude de alguém em relação à vida.

Filosofia de Nietzsche

A filosofia de Nietzsche se preocupa com questões sobre liberdade, ação e vontade. Ao apresentar a idéia de recorrência eterna, ele pede que não tomemos a idéia como verdade, mas que nos perguntemos o que faríamos se a idéia estavam verdade. Ele supõe que nossa primeira reação seria desespero absoluto: a condição humana é trágica; a vida contém muito sofrimento; o pensamento de que é preciso reviver tudo isso um número infinito de vezes parece terrível.

Mas então ele imagina uma reação diferente. Suponha que possamos receber as notícias, abraçá-las como algo que desejamos? Isso, diz Nietzsche, seria a expressão definitiva de uma atitude afirmativa da vida: querer essa vida, com toda a sua dor, tédio e frustração, repetidas vezes. Esse pensamento se conecta ao tema dominante do livro IV de "The Gay Science", que é a importância de ser um "sim-sayer", um afirmador da vida e de abraçar amor fati (amor ao próprio destino).

É assim também que a idéia é apresentada em "Assim falou Zaratustra". A capacidade de Zarathustra de abraçar a recorrência eterna é a expressão máxima de seu amor pela vida e seu desejo de permanecer “fiel à terra”. Talvez essa seja a resposta do "Übermnesch" ou "Overman" que Zarathustra antecipa como um tipo superior do ser humano. O contraste aqui é com religiões como o cristianismo, que vêem este mundo como inferior, esta vida como uma mera preparação para uma vida melhor no paraíso. A recorrência eterna oferece, assim, uma noção de imortalidade contrária à proposta pelo cristianismo.

Fontes e leituras adicionais

  • Nietzsche, Friedrich. "A ciência gay (Die Fröhliche Wissenschaft)." Trans. Kaufmann, Walter. Nova York: Vintage Books, 1974.
  • Lampert, Laurence. "O ensino de Nietzsche: uma interpretação de assim falou Zaratustra". New Haven CT: Imprensa da Universidade de Yale, 1986.
  • Pearson, Keith Ansell, org. "Um companheiro para Nietzsche." Londres, Reino Unido: Blackwell Publishing Ltd, 2006.
  • Strong, Tracy B. "Friedrich Nietzsche e a política da transfiguração". Ed expandido. Urbana IL: University of Illinois Press, 2000.


Video, Sitemap-Video, Sitemap-Videos